Água fresca... para ideias com sede...

domingo, março 4

POETANDO

DE ONDE EU VENHO
(sobre um poema lindíssimo de Paula Tavares)

De onde eu venho
Não há dunas de areia
Águas soltas no céu
Pingando gengibre e doce mel
Rios, sim.

De onde eu venho
Estremeço paludismos
Fogueiras devoram as noites
Desejos por saciar
Estalam ruidosamente os ossos do tempo

De onde eu venho
Há cabaças de kissangua e hidromel
Virgens parindo ternuras
Sede da terra
Rios velhos, sim.

De onde eu venho
Planam girassóis ao vento
Gestos de vidro e luz de mil cores
Amores alucinados
Carne viva.

De onde eu venho
Há imbondeiros preguiçando ao sol
Sombras voam na floresta
Faúlhas dançam no escuro
Rios primevos, sim.

GED

1 comentário:

ana b. disse...

Belíssimo livro este último da Paula Tavares.
Bj

Related Posts with Thumbnails